sábado, 4 de março de 2017

A santidade está na ação justa

Marcelo Gil da Silva

Teólogo

Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN) Graduado




Um pequeno trecho do filme "Cruzada", de Ridley Scott, lançado em 2005:










sábado, 18 de fevereiro de 2017

Economia com base na justiça e na injustiça

Marcelo Gil da Silva
Teólogo

Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN) Graduado


Solos áridos do deserto israelense transformam-se em campos cultivados, graças à tecnologia (Imagem extraída de morasha.com.br)
Há muitas teorias econômicas, dentre as quais levantadas por Karl Marx, no século XIX, que são rebatidas por outras teorias, fundamentadas mais na fé do que na ciência, como por exemplo, a composição de um sistema de trabalho com base na produção e acúmulo de riquezas, os pilares do capitalismo, previsto por ele e outros pensadores do mesmo tempo.

Temos assim, um modelo econômico básico, na qual se empreende da seguinte forma: capital, imóvel, mão-de-obra, sendo que à mão-de-obra, o salário, ao imóvel, o aluguel e ao capital, o lucro. Sob esta crença fundamenta-se o acúmulo de riqueza e a crença de que é a única maneira de sustentabilidade da civilização humana.

No entanto, aqueles que  previram muito antes de acontecer, o desenrolar econômico do capitalismo e as tensões entre a classe trabalhadora e a aristocracia, apontaram um possível caminho e que os trabalhadores deveriam ter ciência de tal caminho, que se estabelece da seguinte forma: capital, imóvel, mão-de-obra, sendo que à mão-de-obra, o salário, ao imóvel, o aluguel, ao capital, o lucro e novamente à mão-de-obra, também o lucro. Dessa forma, o lucro deve ser dividido entre a origem do capital (investidor) e a mão-de-obra, pois o lucro é o capital trabalhado.

A comprovação desse modelo é também verificada quando há sócios de uma empresa, na qual o que trabalha para ela, recebe o pró-labore, enquanto o que não trabalha para ela não o recebe, tendo direito apenas ao lucro.

Assim, ao não participar os trabalhadores dos lucros, aristocratas têm usurpado o direito do trabalhador, conforme a ótica econômica cientificamente comprovada, com base na fé na divisão de classes e que ascender de classe é oportuno a todos, ou seja, com base na injustiça.

Produzir onde já há riqueza e com injustiça é o trivial. Porém quando se vê o exemplo de Israel, que é um pequeno país no deserto e, nesse deserto vemos plantações fartas, na qual na linha da fronteira o deserto é deserto e, o povo israelita diz que foi abençoado por Deus, eu digo o nome desse Deus, que é Justiça.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A esperança vem dos pobres

Marcelo Gil da Silva
Teólogo

Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN) Graduado



Imagem de wildesbrito.blogspot.com.br
A busca espiritual é da natureza humana e, cada um em seus ofícios não é especialista pelo conhecimento espiritual. Normalmente entre o conhecimento dos antigos, encontramos as suas mensagens para nós, o que é por si só, incrível. Tendo em vista que esses antigos viveram e morreram há milhares de anos, deixando inscrições para aqueles que ainda nasceriam num futuro distante de suas realidades.

Nisso, temos informações não apenas religiosas, mas do cotidiano e de suas tentativas em formular uma sociedade com base na justiça e na fraternidade, bem como os que se enveredavam pelo caminho dos interesses de poucos, com suas teses de que somente alguns teriam o direito divino ou benemérito de ter privilégios, nos quais enfrentavam os interesses populares, redefinindo os conceitos da justiça.

A carência nos dias atuais é quem traduza, não apenas o texto, mas a mensagem que os antigos nos deixaram, a fim de não cairmos na propaganda daqueles que sempre se opuseram à justiça social. Tal influência é relevante, tendo em vista as terras americanas receberem toda uma bagagem política, social, econômica, cultural, e religiosa da Europa, compilada e formatada do início da Idade Moderna, os finais do século XV da Era Comum.

Assim, a Igreja Cristã, detentora do conhecimento antigo a respeito da justiça, inclina-se em suas crises ritualísticas e ideologias religiosas, com seus devidos cenários espirituais, deixando em segundo plano a essência do que os antigos, nossos ancestrais, deixaram para nós. E isso, somado aos contextos político-econômicos europeus, que mais tarde se polariza numa versão mais despojada na consolidação do país Estados Unidos, fazendo com que as nações do sul recebam suas crenças, convicções, modelos socioeconômicos e tudo mais, nos mais belos formatos, temperados com tradições religiosas e interpretações que defendem as primeiras teses.

A resposta espiritual às questões atuais não responde aos anseios das pessoas, que esperam dos que se propuseram a estudar as mensagens de nossos ancestrais e, que esses estudiosos, que se autodenominam líderes, fossem os portadores da antiga essência da justiça e, verdadeiramente fossem líderes na luta pela sociedade idealizada pelos antigos, nossos ancestrais, os quais viveram e até morreram para que um dia, os humanos do futuro, nós, contemplássemos essa sociedade fundamentada na justiça, ou morrêssemos lutando por ela.

Porém, não desanimemos, pois Jesus, a personificação da própria justiça, não veio entre os oficiais, ocupando posições de poder, seja político ou religioso, econômico ou militar, mas sim, do interior de seu país, em meio dos pobres. Pela história, aqueles que se diziam seus seguidores, fizeram guerras, condenaram pessoas, causaram mal. Enquanto os que são verdadeiramente seguidores de Jesus, são os que defendem a sua essência, que é a justiça, a paz, o amor, a assistência social, o direito ao trabalho e ganhos dignos por ele, como também o direito à terra e sua redistribuição.


Referência

BÍBLIA, Português. Bíblia sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida. Ver. Revista e Atualizada no Brasil. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

domingo, 30 de outubro de 2016

Diabo x Lúcifer

Marcelo Gil da Silva
Teólogo

Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN) Graduado



Extrato do Precônio Pascal (Praeconium Paschale - Exsultet), na qual percebemos a utilização da palavra latina "lucifer". Fonte: PapalMusic 

Comumente vemos uma associação entre o ser maligno denominado diabo e o nome Lúcifer. Porém, não há uma fundamentação bíblica para isso. Também é necessário se ter cuidado com a espiritualização de textos bíblicos, pois torna-se necessária uma busca pela interpretação considerando os contextos. Podemos tomar uma história bíblica e propor uma analogia com algo de nosso cotidiano a fim de termos uma aplicação prática em nossas vidas, mas ao transformarmos a analogia em verdade, terminamos por mudar o sentido da mensagem, ou seja, perdemos totalmente a essência.

São Lúcifer (cieliparalleli.com)
No texto bíblico no capítulo 14 do livro de Isaías, encontramos um relato a respeito de um rei babilônico conquistador, com uma característica soberba, até pela comparação com a estrela da manhã, que acreditamos ser nosso planeta vizinho Vênus. Obviamente um complexo de grandeza, um tanto exagerado. Na tradução latina, conhecida como Vulgata, amplamente utilizada pela Igreja Católica Apostólica Romana até tempos modernos, há a palavra lucifer, porém como substantivo, na qual podemos traduzir como portador da luz. Não há nenhuma evidência de referência ao que conhecemos como diabo.

Claro que conheço defensores dessa tese, de que lucifer é o Lúcifer, por sua vez, um nome bonito do diabo e, que o diabo é o anjo caído, por sua vez, o inimigo de Deus, como também o inimigo da Humanidade. E conhecendo os argumentos deles, falemos então a respeito do capítulo 28 do livro de Ezequiel, que dentro do contexto, expõe-se a respeito de outro rei soberbo, se referindo à Tiro, uma cidade assíria.


Igreja de São Lúcifer em Cagliari, Itália
(Imagem de web.tiscali.it)
Já no livro de Apocalipse, capítulo 22, Jesus é a estrela da manhã. Uma grande exaltação, o que pode ter inspirado na região do Mediterrâneo, na Antiguidade, ser comum pessoas com o nome Lúcifer, já que seu significado em Latim é portador da luz, um nome bonito. Inclusive existiu um bispo cristão, que veio a ser reconhecido como santo pela Igreja Católica Apostólica Romana, o São Lúcifer e, também, no sul da Itália, há a Igreja de São Lúcifer.

Obviamente, devido a essa confusão entorno do nome Lúcifer, alguém aparecer com esse nome pode despertar uma certa inquietação, mas é bom saber a origem do nome e, que não foi diabólica.






Referências:

Bible Hub. Versão Hebraica. Disponível em [http://biblehub.com/]. Data de acesso: 30 Out 2016.

Bíblia Online. Nova Versão Internacional. Disponível em [https://www.bibliaonline.com.br]. Data de acesso: 30 Out 2016.

Bíblia Online. Nova Vulgata. Disponível em [https://www.bibliaonline.com.br]. Data de acesso: 30 Out 2016.

BÍBLIA, Português. Bíblia sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida. Ver. Revista e Atualizada no Brasil. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Inspiração religiosa na sétima arte

Marcelo Gil da Silva
Teólogo

Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN) Graduado



Tendo em vista apenas buscar curiosidades, demonstrando a origem da inspiração cinematográfica pelos textos antigos e, aqui em especial, da Bíblia, preparei um breve artigo. Muitas vezes nos deparamos com histórias e, que nem imaginamos de como chegaram até nós. É evidente que roteiristas são inspirados pelas suas percepções de mundo, retratando suas visões. Dentre os quais, muitos são ocidentalizados e com a visão bíblica-judaica-cristã, mesmo que não sejam crentes, mas por todo o mundo em que vivem desde suas infâncias.

No entanto, encontramos também influências de outras crenças, o que nos faz refletir que crenças diferentes ao modelo "ocidental" talvez estejam contando a mesma história por ângulos diferentes. Talvez os mitos sejam fragmentos de uma realidade perdida. Talvez sejam apenas mitos, mas podemos nos divertir com a habilidade dos roteiristas e de todo esse mundo artístico, ao menos aos que apreciam filmes.

Imagem de oarquivo.com.br
Cubo Borg de Star Trek, uma ficção referente ao futuro, em relação à nossa percepção de tempo.

"A cidade era quadrangular, de comprimento e largura iguais. Ele mediu a cidade com a vara; tinha dois mil e duzentos quilômetros de comprimento; a largura e a altura eram iguais ao comprimento" (Bíblia, NVI, Apocalipse 21:16).






Imagem de industriacriativa.espm.br/
Sabres de Luz de Star Wars, uma ficção referente ao passado, em relação à nossa percepção de tempo. 

"Depois de expulsar o homem, colocou a leste do jardim do Éden querubins e uma espada flamejante que se movia, guardando o caminho para a árvore da vida" (Bíblia, NVI, Gênesis 3:24).







Cartaz do filme Avatar
(imagem de fandomfollowing.com)
Avatar tem personagens com semelhança a Krishna, conforme crenças hindus, na qual Krishna é um avatar do Deus Vishnu, que conforme a tradição hindu, avatar é manifestação corporal de um ser, entendendo-se como encarnação.







Representação de Krishna
(imagem de refutandooateismo.wordpress.com)
O filme demonstra o que seu nome representa, que é a manifestação corporal dos alienígenas (no caso, os humanos) nos corpos semelhantes dos próprios nativos na lua fictícia na qual se passa a história.














Claramente não se resume apenas aos exemplos curiosos que mencionei, mas que fique uma amostra para entretenimento e reflexão.